Quarta, 12 de Junho de 2024 22:33
62 99885-9898
Anúncio
Política Obra milionária

Empréstimo para captar água do rio Grande pode elevar tarifa do Semae

Audiência pública realizada na Câmara Municipal reuniu entidades ambientais, vereadores, partidos e sociedade civil.

18/05/2024 05h30 Atualizada há 4 semanas
Por: Harley Pacola
Harley Pacola
Harley Pacola

A primeira Audiência Pública que debateu o empréstimo de R$ 649 milhões para captar água do rio Grande reuniu nesta quinta, dia 16, no Plenário da Câmara Municipal, vereadores, representantes de entidades ambientais, partidos e a população em geral. 

O que chamou a atenção foi o horário marcado para o encontro às 14 horas, uma estratégia para sufocar a participação popular.

A audiência foi convocado pelo presidente da Comissão Permanente de Finanças e Orçamento, vereador Anderson Branco (Novo). 

O superintendente do Semae, Nicanor Batista Junior apresentou planilhas que vai definir os valores a serem pagos para os investimentos na criação da ETA Norte. A obra contemplará recursos do orçamento do Semae. 

A obra tem um custo estimado de R$ 1 bilhão. Para viabilizar o projeto, o Executivo pediu autorização para a Câmara para contrair empréstimo de R$ 650 milhões. Os R$ 350 milhões restantes seriam contrapartida da autarquia, que diz possuir o recurso em caixa.

Participaram da audiência o superintendente do Semae, Nicanor Batista Júnior e o secretário da Fazenda, Martinho Ravazzi, que foram questionados por vereadores, partidos, entidades ambientais e munícipes.

Nicanor lembrou que o projeto é discutido desde 2007, no Plano das Águas, "quando se demonstrou que seria necessário buscar água fora, que nossos mananciais não dariam mais conta." Ele disse que atualmente Rio Preto conta com três fontes de abastecimento: Represa Municipal e aquíferos Bauru e Guarani. "As três já mostram fragilidade. o rio Preto principalmente, que nos períodos de estiagem temos de diminuir a captação."

Sobre a captação da água no rio Grande, o superintendente disse que o Semae já possui todas as licenças de órgãos ambientais e técnicos, como a ANA e Dnit. "A vazão permanente, em 95% do tempo, do rio Grande, é de 1,6 mil metros cúbicos por segundo. Nossa licença é para captar 3 metros cúbicos por segundo. Uma gota de água." Ele ainda disse que o projeto tem duas etapas, e que na primeira, a vazão seria de 750 litros por segundo, que seriam tratadas no próprio Palácio das Águas, já que a captação da Represa seria suspensa. Apenas numa segunda etapa, com a construção de uma nova estação de tratamento de água, na BR-153, que se chegaria aos três metros cúbicos por segundo.

Questionado por vereadores, Nicanor disse que o Semae possui capacidade de endividamento e pagamento, mas admitiu que haverá reajuste na tarifa de água, mas ainda assim considera que o valor é baixo perto de outras companhias de abastecimento, principalmente as privadas "que visam lucro e pagam mais imposto." Pelos números apresentados, a tarifa para 15metros cúbicos mensais passaria dos atuais R$ 78,50 para 97,63. "A média estadual é de R$ 135,95. Aumentar R$ 19 em três anos é um número perfeitamente palatável".

Já o secretario da Fazenda disse que Rio Preto tem "nota A" da Secretaria do Tesouro Nacional e possui "plenas condições financeiras de contrair esse empréstimo." Ele disse que atualmente o município tem dívidas contraídas que somam R$ 609 milhões, o que foi contestado por vereadores de oposição, como João Paulo Rillo (Psol) e Pedro Roberto (Republicanos), que chegaram a falar em valores superiores a R$ 1,3 bilhão.

Os vereadores também criticaram o que consideram "pressa e urgência" na tramitação da proposta que autoriza o empréstimo e também a pertinência de tocar esse projeto de buscar água do rio Grande em ano eleitoral. "Qual a pressa? Não há argumentos que justifiquem a urgência dessa proposta", disse Rillo.

Nicanor respondeu que a "tempestividade de uma obra dessa é de 5 a 7 anos, não para já. Se começar em 2025, é para 2030, 2031." Ele ainda argumentou que "com o natural processo de conurbação de municípios vizinhos", como Mirassol, Bady Bassitt, Cedral e outros, o Semae, com as etapas do projeto concluído, poderia inclusive fornecer abastecimentos para essas cidades.

Participaram da audiência os vereadores Anderson Branco (Novo) - que preside a Comissão de Finanças -, Rillo, Pedro, Celso Peixão (MDB), Júlio Donizete (PSD), Bruno Marinho (PRD), Renato Pupo (Avante), Robson Ricci (PSD), Odélio Chaves (Podemos) e Jean Charles (MDB), além de representantes da sociedade civil organizada e ambiental.

Fonte: Comunicação/Câmara Municipal

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.